Please use this identifier to cite or link to this item: https://rd.uffs.edu.br/handle/prefix/1652
Type: Dissertação
Title: Agroecologia – um território em construção: considerações acerca das experiências agroecológicas nos Assentamentos Ireno Alves dos Santos e Marcos Freire no Município de Rio Bonito do Iguaçu/PR
Author: Carvalho, Lisane
First advisor: Rambo, Anelise Graciele
metadata.dc.contributor.advisor2: Stoffel, Janete
Resume: Nesse estudo buscamos tratar de processos de reterritorialização de camponeses assentados, desencadeados por práticas agroecológicas, no município de Rio Bonito do Iguaçu, Região Centro-Sul do estado do Paraná. Trata-se dos assentamentos Ireno Alves dos Santos e Marcos Freire. Entendemos que a Revolução Verde e o processo de modernização da agricultura expropriaram os pequenos agricultores, desterritorializando-os. Já os assentamentos são representativos de um processo de reterritorialização destes camponeses. Entretanto, entendemos que esta reterritorialização deva perpassar mais as práticas agroecológicas e menos aquelas convencionais, pautadas nos ditames da modernização, uma vez que foram justamente estas que contribuíram para a expropriação dos camponeses. Para evidenciarmos os processos de reterritorialização dos camponeses, as transformações territoriais evidenciadas pela disseminação das práticas agroecológicas, os enfrentamentos e disputas ocasionadas, os limites e avanços da agroecologia, os fatores e os atores que contribuem para as estratégias de territorialização dos camponeses, a ponto de podermos verificar em que medida há um território da agroecologia em construção nos utilizamos do referencial teórico dos geógrafos Claude Raffestin, Marcos Aurelio Saquet, Bernardo Mançano Fernandes e Márcio Freitas Eduardo. Nessa perspectiva a territorialização implica no exercício de poder de diferentes atores sobre o espaço, bem como conflitos e disputas, sobretudo entre agroecologia e o pacote tecnológico disseminado desde a modernização da agricultura. Vem daí o problema a ser pesquisado: Como está se dando o processo de reterritorialização dos camponeses por meio da territorialização da agroecologia? Dessa forma procuramos descrever e analisar as experiências agroecológicas que vem sendo realizadas nos assentamentos mencionados, apontando seus avanços e desafios. Metodologicamente, trata-se de um estudo de caso, pautado na realização de entrevistas qualitativas semi-estruturadas, realizadas com 19 famílias assentadas que estão desenvolvendo práticas agroecológicas e 6 entidades/organizações representativas. Enquanto resultados, podemos aportar que a agroecologia se caracteriza num mecanismo de reterritorialização dos camponeses, possibilitando a permanência dos camponeses nos assentamentos, garantindo uma maior autonomia dos camponeses em relação aos condicionantes internos e externos. Além de identificarmos que há um território da agroecologia em construção, quando os assentados criam novas formas de organização do trabalho, quando lutam por política públicas diferenciada, quando lutam pela criação de cooperativas de produção e comercialização, por moradia, saúde, educação e pela garantia da renda. Porém, podemos observar que ainda há muitos desafios a serem superados, tais como, obtenção da certificação; ampliação de canais de comercialização; melhoria das barreiras vegetais e ampliação da consciência socioambiental da maioria das famílias assentadas que utilizam o modelo de produção da Revolução Verde.
Abstract: In this study, we tried to deal with reterritorialisation processes of settled peasants, triggered by agroecological practices, in the municipality of Rio Bonito do Iguaçu, in the Center-South Region of the state of Paraná. These are the Ireno Alves dos Santos and Marcos Freire settlements. We understand that the Green Revolution and the process of modernization of agriculture expropriated small farmers, deterritorializing them. Already the settlements are representative of a process of reterritorialization of these peasants. However, we believe that this reterritorialization should go beyond agroecological practices and less conventional ones, based on the dictates of modernization, since they were precisely those that contributed to the expropriation of peasants. To demonstrate the processes of reterritorialization of peasants, the territorial transformations evidenced by the dissemination of agroecological practices, the conflicts and disputes caused, the limits and advances of agroecology, the factors and the actors that contribute to the strategies of territorialization of the peasants, to the extent that we can verify the extent to which there is a territory of agroecology under construction, we use the theoretical reference of the geographers Claude Raffestin, Marcos Aurelio Saquet, Bernardo Mançano Fernandes and Márcio Freitas Eduardo. In this perspective the territorialization implies in the exercise of power of different actors on the space, as well as conflicts and disputes, mainly between agroecology and the technological package disseminated since the modernization of agriculture. From this comes the problem to be researched: How is the process of reterritorialization of the peasants being given through the territorialization of agroecology? In this way we try to describe and analyze the agroecological experiences that have been carried out in the mentioned settlements, pointing out their advances and challenges. Methodologically, this is a case study, based on semi-structured qualitative interviews conducted with 19 settled families who are developing agroecological practices and 6 representative entities / organizations. As results, we can contribute that the agroecology is characterized in a mechanism of reterritorialization of the peasants, allowing the permanence of the peasants in the settlements, guaranteeing greater autonomy of the peasants in relation to the internal and external conditions. Besides identifying that there is a territory of agroecology under construction, when settlers create new forms of work organization, when they fight for differentiated public policy, when they fight for the creation of cooperatives of production and commercialization, for housing, health, education and income security. However, we can observe that there are still many challenges to be overcome, such as obtaining certification; expansion of marketing channels; improving plant barriers and increasing the socio-environmental awareness of the majority of settled families that use the model of production of the Green Revolution.
Keywords: Agroecologia
Território
Reterritorialização
Assentamentos rurais
Modernização da agricultura
Language: por
Country: Brasil
Publisher: Universidade Federal da Fronteira Sul
Acronym of the institution: UFFS
College, Institute or Department: Campus Laranjeiras do Sul
Name of Program of Postgraduate studies: Programa de Pós-Graduação em Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável
Type of Access: Acesso Aberto
URI: https://rd.uffs.edu.br/handle/prefix/1652
Issue Date: 26-Sep-2017
metadata.dc.level: Mestrado
Appears in Collections:Agroecologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
CARVALHO.pdf5,33 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.