Please use this identifier to cite or link to this item: https://rd.uffs.edu.br/handle/prefix/2444
Type: Artigo Cientifico
Title: O novo e o velho na alfabetização: diálogos possíveis
Author: Becker, Jociane
Pappis, Vanessa
First advisor: Maraschin, Maria Lucia Marocco
Resume: Este estudo, acerca das inovações e das contradições (do velho e do novo) na e para a alfabetização no Ensino Fundamental de 09 (Nove) Anos, busca responder à seguinte indagação: Que discussões e inovações vêm sendo assumidas e publicizadas em atenção aos processos de alfabetização no I Ciclo do Ensino Fundamental de 09 (Nove) Anos, no pós Lei nº 11.274/2006? O que dizem os interlocutores do tema, e o que compreendem os estudantes da formação inicial em relação a este processo? O objetivo deste estudo é analisar e cotejar os entendimentos de alfabetização e inovação (o novo e o velho) dando destaque às mudanças e às contradições que permanecem, apesar da mudança de legislação e das reflexões que vêm sendo realizadas. Constitui-se de uma pesquisa qualitativa, com suporte bibliográfico, do tipo estado do conhecimento e documental. Primeiramente, adentramos nos estudos que se ocupam desta especificidade formativa disponíveis na base científica da SciELO e, na sequência, buscamos as compreensões assinaladas em relatórios de estágio curricular obrigatório do Curso de Pedagogia, realizados no I Ciclo do Ensino Fundamental (1º ao 3º ano). Para dar guarida ao exposto, embrenhamos nos estudos de Mortatti (2006), Smolka (1993), Lemle (2007), Freire (2000; 2011; 2012) e a Proposta Curricular de Santa Catarina (1998), dentre outros que se ocupam das discussões relativas à alfabetização e aos seus desafios históricos. Os processos educacionais são vistos, pelos pesquisadores da inovação, como algo histórico e circunstancial, tais como as contribuições de Messina (2001), Carborell (2002), Isaia, Bolzan e Maciel (2009), Imbernón (2010) e Leite, Genro e Braga (2011). Como resultados, destacamos a dicotomia entre as exigências legais e os compromissos assumidos pelo Estado, enquanto ente provedor dos direitos, junto às redes e às unidades escolares. Além disso, há pouco diálogo entre as universidades, escolas e professores alfabetizadores, o que torna essa parceria frágil; há também um hiato entre produção, formação e vivências de alfabetização, o que mostra a distância entre as partes envolvidas em tal processo. Há, pois, necessidade de novos movimentos organizativos, novos currículos, novas metodologias e novas possibilidades de aprendizagem, as quais foram e estão sendo requeridas, em função de que a criança de seis anos, tornou-se aluna do 1º ano do Ensino Fundamental, e a pergunta segue: o que podemos fazer?
Abstract: This study about the innovations and contradictions (of the old and the new) in and for literacy in the 9th (9th) year Primary School, ains to answer the following question: What discussions and innovations have been assumed and publicized in regard to literacy processes in the I Elementary School Cycle of 09 (nine) years, after Law nº 11.274 / 2006? What do the interlocutors of the theme say, and what do students of initial formation understand about this process? The objective of this study is te analyze and compare the understandings of literacy and innovation (the new and the old), highlighting the changes and contradictions that remain despite the changes in legislation and the reflections that have been made. It is a qualitative research, with bibliographic support, from the state of knowledge and documentary type. First of all, we enter into the studies that deal with this training particularity available in SciELO's scientific base, and in the sequence we seek the understandings indicated in reports on the compulsory curricular Pedagogy Course of the training, held in the First Cycle of Elementary Education (1st to 3rd year). In order to give cover to the above, we enter the studies of Mortatti (2006), Smolka (1993), Lemle (2007), Freire (2000, 2011, 2012) and the Curricular Proposal of Santa Catarina (1998), among others that deal with the discussions literacy and its historical challenges. Educational processes are seen by innovation researchers as something historical and circumstantial, such as studies by Messina (2001), Carborell (2002), Isaia, Bolzan and Maciel (2009), Imbernón (2010) and Leite, Genro and Braga ( 2011). As results, we highlight the dichotomy between the legal requirements and the commitments assumed by the State, as a provider of rights, with the social network and school units. In addition, there is the lack of dialogue between universities, schools and literacy teachers, which makes this partnership fragile; there is also a gap between production, training, and literacy experiences, wich shows how far apart we are from each other. There is, therefore, a need of new organizational movements, new resumeés, new methodologies, new learning possibilities, which have been and are being required, since the six-year-old child became a student of the first year on elementary school, and the question follows: what can we do?
Keywords: Ensino fundamental
Alfabetização
Formação continuada do professor
Inovação
Language: por
Country: Brasil
Publisher: Universidade Federal da Fronteira Sul
Acronym of the institution: UFFS
College, Institute or Department: Campus Chapecó
Type of Access: Acesso Aberto
URI: https://rd.uffs.edu.br/handle/prefix/2444
Issue Date: 2018
Appears in Collections:TCC Pedagogia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
BECKER.pdf967,57 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.