Please use this identifier to cite or link to this item: https://rd.uffs.edu.br/handle/prefix/3185
Type: Monografia
Title: Um estudo sobre a concepção de sociedade em Jean-Jacques Rousseau
Author: Aguiar, Cenilda das Graças de Vaz de
First advisor: Eidt, Celso
metadata.dc.contributor.referee1: Eidt, Celso
metadata.dc.contributor.referee2: Roani, Alcione Roberto
metadata.dc.contributor.referee3: Pokojeski, Sueli
Resume: Nesta pesquisa bibliográfica focada na obra Do Contrato Social de Jean-Jacques Rousseau, abordamos os conceitos de Estado de Natureza, de Sociedade Civil e de Soberania. Demonstramos que a saída do homem de seu estado natural implica na perda da sua liberdade que antes não tinha limites. Ao constituir uma organização social sua liberdade sem limites passa a ser limitada. Em seu estado natural cada homem dependia de seu potencial e o fazia valer na relação direta com a natureza. A condição de todos os homens era de igualdade. Não eram inimigos natos, mas buscavam atender suas necessidades e interesses movidos pelas próprias forças. O que fez o homem sair desta condição foi a invenção da propriedade privada, ou seja, o momento em que aquilo que era comum a todos passa a ser apropriado, cercado, por alguém como sendo exclusivamente dele. Este é o início do percurso que se instauram relações de conflitos. Por essa razão que para Rousseau existe a necessidade de uma organização social, que ofereça proteção ao homem e aos seus bens. Sair do estado de natureza e passando a viver em sociedade faz o homem perder sua liberdade natural, mas lhe garante a proteção do Estado. Ainda que a liberdade esteja condicionada, o homem pode colocar em ação seus pensamentos e idéias descobrindo que é necessário viver em coletividade num estado submetido as leis. Rousseau afirmava que o homem é dotado de inteligência, se corrompe quando passa a ter a ideias de posse tornando-se assim escravo de si mesmo. Ao fazer parte da sociedade o homem passa a fazer parte de uma associação que é regida por leis. As leis precisam ser respeitadas como leis da própria soberania.As leis são o resultado da vontade geral e esta não pode ser alienável e nem divisível. Quem rege a soberania é o soberano que é um membro da associação indicado pelo corpo para ser representante da comunidade que o escolheu.O soberano é aquele que transmite confiança,que trabalha em prol da associação.E todos fazem parte do corpo político e devem respeitá-lo.
Keywords: Estado de natureza
Sociedade civil
Soberania
Language: por
Country: Brasil
Publisher: Universidade Federal da Fronteira Sul
Acronym of the institution: UFFS
College, Institute or Department: Campus Erechim
Type of Access: Acesso Aberto
URI: https://rd.uffs.edu.br/handle/prefix/3185
Issue Date: 2018
Appears in Collections:TCC Filosofia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
AGUIAR.pdf822.69 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.